segunda-feira, 31 de julho de 2017

A MORTE DO CORPO

O que acontece com o seu corpo quando você morre?




THINKSTOCK

Quando Steven Thorpe chegou ao Hospital Universitário de Coventry, no Reino Unido, a equipe médica disse à família que não havia mais nada a fazer. O adolescente de 17 anos havia sofrido ferimentos gravíssimos na cabeça em um acidente de carro e os danos no seu cérebro eram irreversíveis. O diagnóstico era morte encefálica. Mas a família não perdeu as esperanças. O procedimento que comprova a ausência total de atividade cerebral foi realizado mais 3 vezes, até que o quinto exame revelou ondas cerebrais fraquíssimas — o que significava uma chance de sobrevivência. Duas semanas depois, Steven acordou do coma e começou a se recuperar. O caso, que chamou a atenção da medicina em 2008, mostra que o limite entre a vida e a morte é mesmo tênue.
Se um procedimento errado quase acabou com a vida de um jovem em pleno século 21, dá para imaginar por que a morte ainda assusta os médicos (para nem falar de nós, reles mortais). Duzentos anos atrás, quando não existiam aparelhos que identificassem os sinais vitais, os diagnósticos errados para o fim da vida eram frequentes. Em 1846, a Academia de Ciências de Paris aceitou que a morte significa a ausência de respiração, de circulação e de batimentos cardíacos. Mas mais de um século depois, outro francês, Paul Brouardel, concluiu que o coração não sustenta a vida sozinho. Uma pessoa decapitada pode ter batimentos cardíacos por uma hora, o que não quer dizer que ela esteja viva.
Quando surgiram os respiradores artificiais nos anos 1950, os critérios para definir o fim da vida ficaram ainda mais confusos. Ficou decidido que ele acontece quando as células do cérebro param totalmente de funcionar e desligam o encéfalo, a parte do sistema nervoso central que controla funções automáticas, como a respiração e a circulação. Geralmente, isso acontece depois de acidentes ou AVCs. A morte cerebral permite a doação de órgãos — já que o resto do corpo continua intacto e imune à dor. (Embora existam relatos de reações parecidas com às da dor na hora da retirada dos órgãos, como batimentos cardíacos acelerados e pressão alta.) Na teoria, o cérebro é a placa mãe de um computador. Quando ela queima, a máquina não funciona mais, mesmo que todas as outras peças ainda estejam em bom estado. A explicação parece simples, né? Mas daí a identificar com precisão quando isso acontece é outra história.
O fim — ou não
De certa forma, a primeira definição de morte, a da ausência de circulação e respiração, não está totalmente errada. Estima-se que em 99% dos casos são as falhas no coração e no pulmão que encerram de vez a vida (só 1% dos casos tem origem na morte cerebral). Pense de novo na analogia do computador. O sistema coração-pulmão é a bateria da máquina, que garante o funcionamento das outras peças. Quando essa bateria descarrega, você pode continuar usando o computador ligado à tomada. É o que acontece com grávidas que não têm mais sinais cerebrais, mas que são mantidas "vivas" por aparelhos até dar à luz. De acordo com o americano Dick Teresi, autor do livro The Undeath ("Os Não-Vivos"), desde 1981, 22 mulheres tiveram bebês estando clinicamente mortas. Seus corpos estavam vivos — mas o cérebro já não os controlava mais.
Por isso, para compreender a morte, é preciso entender como trabalha a nossa "bateria". O coração funciona com estímulos elétricos que provocam a contração (que joga o sangue para frente) e o relaxamento (que o enche novamente). É muito importante que esses movimentos sejam sincronizados. Se o coração bater rápido demais, não dá tempo de enchê-lo totalmente e a quantidade de sangue bombeada para o corpo diminui. Bater devagar demais também não é bom sinal, pelo mesmo motivo: vai faltar sangue para manter as condições vitais. Isso é especialmente perigoso para os pulmões. Sem sangue por lá, eles não levam mais oxigênio para as células. Sem oxigênio não há metabolismo e, bem, sem metabolismo as células morrem. Para um médico, a ausência de batimentos cardíacos é uma corrida contra o tempo. "Depois de 8 minutos, a chance é extremamente pequena", diz o cardiologista Diego Chemello, do Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Mas a prática é continuar tentando. Em 2012, o jogador de futebol congolês Fabrice Muamba ficou 78 minutos com o coração parado, e até hoje ninguém sabe direito como. O mais provável é que a atividade elétrica do coração dele nunca tenha zerado totalmente e o oxigênio que ele recebeu por aparelhos tenha garantido sua sobrevivência.
Além das batidas irregulares, a parada cardíaca pode ser causada por um infarto, responsável por 70% das mortes súbitas no Brasil. O sangue que chega ao coração pela artéria coronariana vem cheio de glicose, ácidos graxos e sais minerais que controlam a atividade elétrica do músculo. Se essa artéria é obstruída por gordura (o famigerado colesterol), o suprimento de nutrientes é interrompido e acontece uma pane elétrica. De fato, o infarto é um problema elétrico. Por isso que o aparelho preferido dos paramédicos de séries de TV se chama desfibrilador. O impacto do choque é de 200 joules, o suficiente para acender uma lâmpada de 100 watts por dois segundos — e para botar nosso coração no ritmo.
Se o coração parar de bater, a circulação é interrompida na mesma hora. Nos 3 primeiros minutos, a recuperação é quase certa porque o organismo tem reserva de oxigênio e nutrientes (sim, toda a nossa vida só deixa 3 minutos de economias). Mas isso logo acaba e as células param de funcionar. As do cérebro puxam a fila. É nos neurônios que são feitas as reações químicas e elétricas mais complexas do corpo, que mais precisam de oxigênio. Para se ter uma ideia, o tecido cerebral recebe 10 vezes mais sangue que o muscular, que realiza uma função mecânica e bem menos complicada — o movimento. "Depois de 5 minutos, pode haver danos permanentes", diz o cardiologista Guilherme Fenelon. A consequência pode ser perda da fala ou dos movimentos, por exemplo. Mas também pode ser bem mais esquisita: em 2011, a escocesa Debbie McCann acordou de um derrame com um problema que fez sua fala ficar parecida com sotaque italiano. E teve também o caso do jogador de rúgbi que saiu do armário depois de um AVC.
No fim das contas, seu corpo não foi feito para viver para sempre. No fim, o coração vai parar de bater, a respiração vai cessar e, como uma lâmpada, o cérebro vai se apagar. A vida acaba aí. Mas a morte, não. Ela está apenas começando.
A morte como ela é
Antes de virar pó, nosso corpo vira um monte de outra coisa:
0 minuto — Ao contrário do que diz o clichê, ninguém "cai duro no chão" ao morrer. Como o sistema nervoso não libera mais os neurotransmissores que contraem os músculos, o cadáver fica totalmente flácido.
5 minutos — O corpo deixa de responder a estímulos externos. Não há mais respiração nem batimentos cardíacos.
1 hora — É hora do sangue parar. Primeiro, coagula o conteúdo das veias, por onde o sangue corria mais lentamente. O líquido das artérias segue a gravidade e fica perto do chão, onde a pele fica azulada.
2 horas — Sem circulação não há metabolismo. Sem metabolismo, não há calor. O corpo, que estava a 36,5°C, começa a se resfriar, 1°C por hora até entrar em equilíbrio com o ambiente.
3 horas — O corpo fica rígido quando as reservas de ATP dos músculos acabam. Quanto mais musculosa for a pessoa, mais reservas de energia ela terá, e mais vai demorar para endurecer. A primeira parte do corpo que enrijece é o rosto, que tem músculos menores. Depois, endurecem os ombros, braços e tórax.
De 5 a 8 horas — Sem oxigênio, as células das paredes dos vasos necrosam e ficam frágeis, principalmente nos capilares dos dedos, que são mais finos. Acontece a hipóstase: o sangue sai dos vasos e impregna os tecidos vizinhos.
8 horas — O corpo continua a enrijecer. Os músculos das pernas finalmente se contraem. Por causa disso, os dedos do cadáver podem estar levemente fechados e os joelhos, um pouco dobrados.
12 horas — O corpo é como uma toalha molhada no varal. Depois de um tempo, a água evapora e os tecidos se retraem. Os olhos ficam fundos, os lábios escuros, e pelos e unhas parecem crescer - mas é a pele que se retraiu.
24 horas — Um adulto de 75 quilos pode perder até 1,3 quilo de sua massa nas primeiras 24 horas, graças à evaporação de água (nada dos famosos 23 g que a ficção diz ser o peso da alma). Se o cadáver estiver no calor, ao ar livre, pode ficar seco, como carcaças de animais no deserto.
2 dias — As bactérias continuam a liberar gases, o que faz com que o corpo inche. O cheiro piora por causa da decomposição das proteínas do corpo, e um líquido avermelhado, resultado do rompimento dos alvéolos pulmonares, pode sair pela boca e narinas.
3 dias — O corpo, que até então estava rígido, volta à flacidez. Isso porque os tecidos musculares já estão se decompondo. A ordem é a mesma do endurecimento: primeiro a cabeça, depois braços e tronco e, por fim, as pernas.
Mais de 7 dias — Se o corpo estiver em um ambiente com muita umidade e temperatura alta, a gordura do corpo em decomposição reage com sais do solo (como o potássio) e o cadáver fica macio e escorregadio, como um sabão. Em seguida, o corpo começa a desaparecer até sobrarem só os ossos.

quarta-feira, 19 de julho de 2017

A VERDADEIRA CUBA...



Cuba era o 3° país mais rico das Américas, com a 3° capital mais moderna do mundo, 6° maior renda per capita do mundo, país mais rico que a Itália, Espanha, Japão, Áustria e Portugal.
Fatos que provavelmente vc não sabia sobre Cuba! (Antes do socialismo)
1° Em 1956, a ONU reconheceu Cuba como o segundo país na América Latina com as menores taxas de analfabetismo (apenas 23,6%). As taxas do Haiti era de 90%; e da Espanha, El Salvador, Bolívia, Venezuela, Brasil, Peru, Guatemala e República Dominicana 50%.
2° Em 1957, a ONU reconheceu Cuba como o melhor país da América Latina em número de médicos per capita (1 por 957 habitantes), com o maior percentual de casas com energia elétrica, depois o Uruguai; e com o maior número de calorias (2870) ingeridas per capita.
3° O primeiro hotel a ter ar condicionado Central em todo o mundo foi construído em Havana: o Hotel Riviera em 1951.
4° A primeira nação da América Latina e a terceira no mundo (atrás da Inglaterra e dos EUA), a ter uma ferrovia foi Cuba, em 1837.
5° A primeira demonstração, em nível mundial, de uma indústria movida a eletricidade foi em Havana, em 1877.
6° Cuba já tinha uma excelente escola de medicina, investia-se pesado em pesquisa ao ponto de Cuba ter em 1881, descoberto o agente transmissor da febre amarela e definiu sua prevenção e tratamento e de ter aplicado a primeira anestesia com éter na América Latina, em 1847.
Em 1907, estreou em Havana o primeiro aparelho de Raios-X em toda a América Latina.
7° O primeiro sistema elétrico de iluminação em toda a América Latina (incluindo a Espanha) foi instalado em Cuba, em 1889.
8° Entre 1825 e 1897, entre 60 e 75% de toda a renda bruta que a Espanha recebeu do exterior vieram de Cuba.
9° O primeiro bonde que circulou na América Latina foi em Havana, em
1900.
10° Também em 1900, antes de qualquer outro país na América Latina, foi em Havana que chegou o primeiro automóvel.
11° A primeira cidade do mundo a ter telefonia com ligação direta (sem necessidade de telefonista) foi em Havana, em 1906.
12° Em 19 maio de 1913, quem primeiro realizou um vôo em toda a América Latina foram os cubanos Agustin Parla e Rosillo Domingo, entre Cuba e Key West, na Forida, EUA, que durou uma hora e quarenta minutos.
13° Em 1922, Cuba foi o segundo país no mundo a abrir uma estação de rádio e o primeiro país do mundo a transmitir um concerto de música e apresentar uma notícia pelo rádio.
14° A primeira locutora de rádio do mundo foi uma cubana: Esther Perea de la Torre. Em 1928, Cuba tinha 61 estações de rádio, 43 delas em Havana, ocupando o quarto lugar no mundo, perdendo apenas para os EUA, Canadá e União Soviética. Cuba foi o primeiro país no mundo em número de estações por população e área territorial.
15° Em 1937, Cuba decretou, pela primeira vez na América Latina, a jornada de trabalho de 8 horas, o salário mínimo e a autonomia universitária que foi perdida com o regime de Fidel Castro.
16° Em 1940, Cuba adotou a mais avançada Constituição de todas as Constituições do mundo. Na América Latina foi o primeiro país a conceder o direito de voto às mulheres, igualdade de direitos entre os sexos e raças, bem como o direito das mulheres trabalharem.
17° O segundo país do mundo a emitir uma transmissão pela TV foi Cuba, em 1950. As maiores estrelas de toda a América, que não tinham chance em seus países, foram para Havana para atuarem nos seus canais de televisão.
18° O primeiro prédio construído em concreto armado em todo o mundo fica em Havana: O Focsa, em 1952.
19° Em 1954, Cuba tinha uma cabeça de gado por pessoa. O país ocupava a terceira posição na América Latina (depois de Argentina e do Uruguai) no consumo de carne per capita.
20° Em 1940, Cuba foi o primeiro país da América Latina a ter uma presidente da raça negra, eleita por sufrágio universal, por maioria absoluta, quando a maioria da população era branca. Ela se adiantou em 68 anos aos Estados Unidos.
21° Em 1955, Cuba era o segundo país na América Latina com a menor taxa de mortalidade infantil (33,4 por mil nascimentos).
22° Cuba tinha mais carros transitando pela ruas de Havana do em todo o Brasil.
23° Cuba foi o primeiro país do mundo a ter TV a cores.
24° Em 1958, Cuba foi o segundo país do mundo a emitir uma transmissão de televisão a cores.
25° Em 1959, Havana era a cidade do mundo com o maior número de salas de cinema: (358), batendo Nova York e Paris, que ficaram em segundo e terceiro lugares, respectivamente.
Hoje, depois de mais de meio século, a "Revolução" socialista cubana, a mais antiga ditadura do planeta tem sido acusado de inúmeras violações dos direitos humanos, incluindo tortura, detenções arbitrárias, julgamentos injustos e execuções extrajudiciais (também conhecido como "El paredón").
A Human Rights Watch acusa o governo de "reprimir quase todas as formas de dissidência política" e que "aos cubanos são sistematicamente negados direitos fundamentais de livre expressão, associação, reunião, privacidade, movimento e devido processo legal."
Os cidadãos não podem sair ou voltar para Cuba sem obter primeiramente uma permissão oficial.

segunda-feira, 17 de julho de 2017

ARQUEOLOGIA No Egito, acabam de fazer uma das descobertas arqueológicas mais importantes do século


Uma equipe de arqueólogos alemães e
 egípcios fez, literalmente, uma colossal 
descoberta no dia 9 de março. Partes de 
uma enorme estátua de 3000 anos de idade,
 que se acredita retratar o lendário Faraó 
Ramsés II, foram encontradas enterradas 
na favela de Matariya, no Cairo. Os resultados
 contam uma história antiga das origens do 
mundo, e poderia começar um novo capítulo 
para a história do Egito.
O busto recuperado e a cabeça da estátua 
antiga medem 8 metros de comprimento e são
 feitos de quartzito. A parte superior de uma 
estátua menor, que representa o faraó Seti II
 (neto de Ramsés II), e peças de um obelisco 
com hieróglifos também foram encontrados. 
Especialistas já começaram a restaurar os
 artefatos, que serão exibidos no “Grande Museu 
Egípcio”, com inauguração prevista para 2018.
Ramsés II foi muitas vezes considerado o maior 
faraó que jamais governou o Império 
Egípcio, e acreditava que o mundo foi criado em 
Heliópolis, a moderna Matariya. Esta 
última descoberta da história poderia ajudar a 
impulsionar a indústria do turismo egípcio,
 que sofreu muito nos últimos 6 anos devido a
 agitação política e ataques terroristas.
As favelas do Cairo têm mantido uma peça
 incrível da história egípcia por 
cerca de 3000 anos.
A estátua, que se acredita retratar o lendário
 Faraó Ramsés II, mede 8
 metros de comprimento, e estava submersa 
em águas subterrâneas.
Ramsés II é considerado extensamente ser
 o grande Faraó do antigo Egito,
 e era um líder militar renomado.
Uma estátua parcial do faraó Seti II, o neto 
de Ramsés II, e peças de
 um obelisco também foram recuperados no 
local.
Ramsés II acreditava que o mundo foi criado
 em Heliópolis, agora 
conhecida como Matariya, a favela onde a
 estátua foi encontrada.
Estas descobertas monumentais foram 
desenterradas por uma equipe 
de arqueólogos alemães e egípcios, e estão
 sendo restauradas atualmente.
Os moradores locais ficaram tão 
impressionados com os artefatos 
que se reuniram para tirar fotos deles.
Uma vez que as estátuas estejam prontas,
 serão exibidas no Grande 
Museu Egípcio no Cairo, que será inaugurado 
em 2018.
Isso poderia ajudar a impulsionar o turismo
 egípcio, que sofreu nos
 últimos 6 anos devido à agitação política e
 ataques terroristas.
Acredita-se que Matariya seja o local dos 
templos do sol egípcio antigo,
 que foram construídos para adorar a Ra, 
o deus do sol.
Outras ruínas de Heliópolis foram 
encontradas anteriormente nas 
regiões do norte do Cairo, tornando 
extremamente provável o fato de 
que esta estátua seja de Ramsés II.
Os templos do sol tinham supostamente 
o dobro do tamanho de Karnak
 de Luxor, mas foram destruídos durante 
os tempos greco-romanos.
A descoberta destas estátuas espera nos 
contar ainda mais sobre a vida 
dos antigos faraós egípcios, incluindo 
Ramsés, o Grande.
Assista a esta incrível filmagem da escavação, 
produzida pelo The Guardian,
 jornal nacional britânico:

domingo, 16 de julho de 2017

FUNDAMENTALISMO RELIGIOSO AS 3 PRINCIPAIS RELIGIÕES

FUNDAMENTALISMO RELIGIOSO



2.1 FUNDAMENTALISMO RELIGIOSO
O fundamentalismo religioso é um fenômeno caracterizado pela cultura e que pode nominalmente ser influenciada pela religião dos partidários. O termo pode também se referir especificamente à convicção de que algum texto ou preceito religioso considerado infalível, ainda que contrários ao entendimento de estudiosos modernos. Grupos fundamentalistas religiosos frequentemente rejeitam o termo por causa das suas conotações negativas ou porque insinua semelhança entre eles e outros grupos cujos procedimentos acham censuráveis.
2.1.1 JUDAÍSMO
Há duas correntes, os ultra-ortodoxos e os nacionalistas religiosos, que têm atitudes agressivas no apoio a movimentos reacionários da direita política.
O setor fundamentalista da religião judaica, não representativa do judaísmo em geral, é influente em Israel e a base ideológica do movimento dos colonatos, em Gaza e na Cisjordânia.
Os Rabbis do Gush Emunim, movimento messiânico nacionalista e expansionista que se mobiliza pela colonização do “grande Israel”, e que atinge cerca de metade da população judaica de Israel reiteram continuadamente que os judeus que matam árabes não devem ser punidos, com base no conjunto de regras de vida do judaísmo, pois não violam a proibição religiosa do assassinato.
Razões fundamentalistas argumentam que o que parece ser um confisco de terras de propriedade de árabes para instalarem judeus, não é de fato uma ação de roubo, mas sim um ato de santificação. Do ponto de vista deles a terra está sendo redimida, porque está a ser transferida da esfera do satânico para a esfera do divino. Para acelerar este processo o uso da força é permitido, caso se torne necessário de extrema violência.
2.1.2 CRISTIANISMO
Um dos termos religiosos mais controversos é o Fundamentalismo.
Dentro dos círculos acadêmicos, o Fundamentalismo é descrito como uma forma de espiritualidade criada de modo a enfrentar o temor de que a modernidade possa afetar ou mesmo erradicar a fé e a moralidade de seus seguidores. Já a mídia utiliza o termo normalmente para descrever setores mais conservadores de determinada religião, ou mesmo grupos religiosos propensos à violência.
Preocupados com o avanço do modernismo, os fundamentalistas realizaram a Conferência Bíblica de Niágara entre 1878–1897, que estabeleceu os pontos básicos do fundamentalismo. O Fundamentalismo Cristão é um movimento teológico e social, ocorre quase que na totalidade dentro do Protestantismo que se baseia na ênfase da Bíblia como sendo a lei a ser seguida, não só na fé, mas também na regência da sociedade e na interpretação da ciência.
Consideram a Bíblia infalível; sendo suas histórias consideradas factuais. Rejeitam qualquer outra forma de Revelação (inspiração individual, magistério eclesiástico, profecias modernas, teologia natural) e o Criacionismo (teorias que de alguma forma interferem com o texto literal do gênesis, principalmente a evolução biológica, mas também teorias geológicas, físicas, cosmológicas, químicas, e arqueológicas) e deve ser interpretada literalmente, salvo nas partes conotativas.
Desde 1925 o fundamentalismo perdeu sua popularidade entre os protestantes conservadores, quando o professor John T. Scopes foi condenado por ensinar a Teoria da Evolução nas escolas públicas, porém, na década de 1940 ganhou força outro movimento conservador protestante, porém mais aberto à sociedade em geral e à ciência: o Evangelismo.
Os Fundamentalistas Cristãos creem que a Bíblia é unicamente a palavra de Deus, e rejeitam a interpretação de que se trata de um documento histórico. Por volta dos anos 1960 muitos teólogos e historiadores acreditaram que as religiões se tornariam menos conservadoras, porém isso não ocorreu. Os setores fundamentalistas cristãos assim como das principais religiões do mundo se ampliaram, dedicados a preservar suas tradições religiosas.
Eles acreditam que a sua causa é grande importância e valor, veem a si mesmos como protetores de uma única e distinta doutrina, modo de vida e de salvação. As virtudes fundamentalista protege a identidade do grupo que não é instituído só em oposição a religiões estranhas, mas também contra os modernizadores que compactuam continuar numa versão nominal da sua própria religião. Ética e politicamente, os fundamentalistas rejeitam a diversidade sexual, o aborto, a Teoria da Evolução, o Ecumenismo, o diálogo religioso com não fundamentalista e a possibilidade de salvação fora do Cristianismo.
2.1.3 ISLAMISMO
No islamismo, os fundamentalistas são chamados de jama'at, que em árabe significa enclaves religiosos com conotações de irmandade fechada, mantém relação com o Jihad na luta contra a cultura ocidental que suprime o Islam autêntico que implica submissão ao modo de vida, prescrito na (determinação divina) contida na Charia.
O islamismo é uma das três grandes religiões monoteístas, ao lado do cristianismo e do judaísmo. Com 1,2 bilhão de fiéis, é a segunda em número de adeptos e a que mais se expande. A fé sempre esteve associada à conquista de novos adeptos, daí sua notável expansão histórica. O avanço atual ocorre nos países pobres, onde já é dominante, e as altas taxas de natalidade funcionam como um impulso natural para o incremento. Além disso, o Islã é visto como único contraponto à visão ocidental. Sua doutrina conservadora - em relação aos padrões ocidentais - tem sido um atrativo para camadas desfavorecidas, porém, há também integrantes bem estabelecidos na sociedade.
Existem dois grandes movimentos interpretativos no islamismo:
 - Sunismo (sunitas) - seriam os mais moderados;
- Xiismo (xiitas) - seriam os mais radicais. Segundo algumas interpretações sociológicas, tem como princípio uma reação muito forte ao modelo político ocidental, que tenta penetrar nos estados árabes, muçulmanos.
Entre os muçulmanos, este tipo de manifestação apareceu somente no início do século XX. Os fundamentalistas lutam em geral pela independência política dos países islâmicos e contra a influência ocidental, em favor dos costumes primitivos e da aplicação rigorosa da lei islâmica. Ao mesmo tempo são indiferentes ao rico legado filosófico; artísticos; místicos do Islã medieval e de suas contribuições para toda a civilização ocidental. Há várias formas e povos fundamentalistas e, é óbvio, nem todo árabe é islâmico, nem todo islâmico é fundamentalista ou radical.
Isso não significa que todos os muçulmanos sejam terroristas ou violentos. Na verdade, esses são minorias nos âmbitos dos países islâmicos, também, não é a ampla maioria o que luta contra outros espaços religiosos. A religião em si não promove violência, mas sim a interpretação das pessoas, com suas subjetividades, características, psicologias, interesses políticos, culturais e sociológicos. Sempre há esse processo de tradução, que a implica subjetividade humana. Por sua vez, isso implica uma interpretação; daí a necessidade do cuidado e zelo nesses processos interpretativos.